Pensamento Computacional pode ser ensinado para crianças desde o berçário

Atualizado: 18 de Out de 2018

Através de jogos, brincadeiras, histórias e mesmo o uso da tecnologia em sala de aula, é possível criar uma estratégia de resolução de problemas.


Pensamento computacional é uma estratégia de pensamento para resolver problemas, expressando a solução de uma forma que um computador ou outra pessoa possa replicar esse conhecimento para resolver o mesmo problema em outro contexto.


Não necessariamente é preciso utilizar um computador ou saber programar para ter o pensamento computacional desenvolvido. A partir do momento em que se encontra um problema, visualiza possibilidades de resolvê-lo, cria padrões e gera soluções que outras pessoas também conseguirão utilizar, já é considerado pensamento computacional.


Professores começam a introduzir essa ideia em sala de aula entre crianças menores a partir de jogos infantis, contação de histórias e mesmo introduzindo tecnologias, como tablets para meninos e meninas a partir de 3 anos de idade.


Fazer um trabalho em dupla com um tablet, por exemplo, utilizando aplicativos com classificação indicativa correta é possível ensinar habilidades como trabalho em equipe, tolerância, paciência, comunicação mais clara, entre outras.


Para as crianças mais velhas, que fazem parte da Educação Fundamental 1 por exemplo, o objetivo de ensinar o Pensamento Computacional é desenvolver também o raciocínio lógico, ampliar os conhecimentos em matemática, elaboração de estratégias – como em jogos de tabuleiro focados nessa faixa etária – para desenvolverem a capacidade de resolverem problemas de forma simples e direta.


Com estímulos adequados, os professores poderão perceber melhora na autonomia das crianças, assim como no desenvolvimento cognitivo e motor. Elas passam a criar questões mais elaboradas, trabalharem com calma diante de um problema, desenvolvem estratégias e fazem inúmeras experimentações sem medo de errar.


Mesmo que errem, são capazes de revisarem o que fizeram, discutir com o amigo outras soluções e tentar mais uma vez. Além da paciência, as crianças se mostram desafiadas e resilientes.


Por que desenvolver o pensamento computacional entre as crianças?

Essa habilidade é desenvolvida na interação dos alunos com o meio em que vivem, tanto físico quanto social. No momento em que chegarem ao ambiente de trabalho estarão mais confortáveis e confiantes com os desafios que lhes serão apresentados.


Além disso, a partir de um ensino orientado através do uso de tecnologias, essas crianças vão acompanhando o desenvolvimento tecnológico e quando chegarem na fase adulta, poderão participar de forma mais efetiva do mundo digital, sendo que parte dos conceitos já tiveram algum tipo de experiência anterior e conhecem parte de seu funcionamento.


Ensino do Pensamento Computacional no Brasil e no mudo

Em países desenvolvidos, como Japão, EUA, Finlândia e Espanha, a computação é trabalhada já na educação básica.


No Brasil, o assunto foi colocado em pauta recentemente na Base Nacional Curricular Comum, que exige que as escolas passem a discutir conceitos do pensamento computacional embutidos nas outras disciplinas, de uma forma transversal.


Não necessariamente precisa ser criada uma matéria específica para lidar com o assunto, mas técnicas de ensinamento precisam ser embutidas em determinados momentos em sala de aula.


Para se ter um mínimo retorno sobre o ensino do Pensamento Computacional, entretanto, professores precisam ser capacitados primeiramente para entenderem o conceito, os objetivos e como colocá-lo em prática. Um processo ainda em construção no nosso país.


FONTES

https://www.moodlelivre.com.br/noticias/1864-professora-trabalha-pensamento-computacional-com-criancas-de-3-anos


http://www.ufrgs.br/secom/ciencia/o-pensamento-computacional-no-ensino-fundamental/


Saiba mais sobre a primeira escola de ciência da computação e robótica para crianças pelo aqui.

2019 - SuperGeeks Ribeirão Preto

Preencha o formulário abaixo  e aproveite seu desconto. 
Preencheu, ganhou!